quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Agenda de 2018 "Plantas medicinais, a saúde nas nossas mãos"com alguns segredos revelados sobre Bétulas



Árvores bonitas e elegantes de tronco branco e luminoso. Cresce espontânea e subespontânea em zonas montanhosas do norte de Portugal Continental onde é conhecida por bédolo ou vidoeiro.
Tem propriedades medicinais no tratamento da celulite, em uso externo em óleos de massagem ou compressas.
Em infusão, as folhas são uteis como diuréticas, eliminando o ácido úrico e as dores reumáticas e aliviando as infeções urinárias.
Nos países nórdicos, os seus ramos são os mais usados nas saunas para “varrer” o corpo
As suas folhas tenras podem comer-se cruas ou cozinhadas.







A bétula é uma bela árvore da família das Betuláceas que pode atingir cerca de 30 metros de altura, o seu nome vem de uma antiga palavra alemã bircha que significa branco luminoso. É uma árvore considerada sagrada nos países nórdicos pois ilumina as longas e escuras noites de Inverno com o seu tronco branco. Existem algumas variedades; Bétula pendula, conhecida por vidoeiro branco ou silver birch em inglês, B.verrucosa, bétula verrugosa ou white birch e B.pubescens ou hairy birch em inglês bétula em espanhol tem o nome de abedul e em francês bouleau.
O vidoeiro- dos-Himalaias B.utilis, é utilizado em medicina Ayurvédica para tratamento de hemorragias, disenteria, convulsões e doenças de pele.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

AGENDAS DE PLANTAS MEDICINAIS E PROGRAMAS DE RTP 1








Hoje passeei por Sintra por cantinhos em encantados já com sinais de outono e fim de verão muito seco, ouriços de castanhas abertos no chão, agapantos com sede, musgos desidrarados, cascatas sem água, esta é  Sintra acusando também a grave seca que o país atravessa. Dia 1 andarei pelos mesmos trilhos mas com a Greentrekker. Tragam sacos para as castanhas.


http://greentrekker.pt/agenda/cantinho-secreto-de-plantas-com-fernanda-botelho/

No entanto encontramos muitas rosas, equináceas, tomilhos e alfazemas, pimenteiras e bolotas.
Muitas destas plantas estão na minha agenda de 2018.

Sábado estarei falando destas plantas, sobretudo das árvores na Quinta dos 7 nomes no dia do Eco-ativismo às 11 da manhã.



Na segunda-feira será dia de RTP 1 onde falaremos de plantas que ajudam no regresso às aulas, Alecrim para a memória, alfazema para acalmar o sistema nervoso e a ansiedade mas também camomila, cidreira, tília, passiflora....




Depois será a vez do Faial, vou matar saudades das ilhas, jardim botânico do Faial no dia 21e 22 e dia 23 passeio no Monte da Virgem, não em Gaia mas na Horta.





quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Plantas medicinais, agenda 2018, amoras e roseira-brava e respetivas receitas de elixir bucal e vinagre de rosehip

Tempo de amoras e cinorródos de roseira-brava.
Aproveite, agarre nos cestos e na família e....cuidado com os picos.


amoras

  Amoras Rubus fruticosus Rosaceae
As amoras são essencialmente conhecida pelos seus frutos maduros muito utilizados em compotas e sobremesas, riquíssimos em vitamina C e antioxidantes.
As suas folhas tenrinhas como quase todas as folhas desta família das Rosáceas, ou seja, morangueiro, marmeleiro, agrimónia e muitas outras, são muito adstringentes e por isso mesmo, recomendadas em gargarejos para combater inflamações da boca e das gengivas.

Receita

Elixir bucal
Ferver 10 a 12 folhas tenras de silvas e 10 cravinhos-da-índia em meio litro de água durante 5 minutos.  Deixar repousar  meia hora, retirar as plantas e adicionar 7 gotas de óleo essencial de tea-tree (Melaleuca alternifolia). Guardar no frigorífico. Bochechar diluindo duas colheres de sopa em meia chávena de água quente.



Cinorródo de roseira-brava
Flores de roseira-brava



Roseira-brava Rosa canina Rosaceae
Umas das grandes fontes de vitamina C que pode ser consumida de várias formas.
Algumas,  pode confecionar em casa e utilizar ao longo do ano, sobretudo no inverno quando precisamos de reforçar o nosso sistema imunitário com doses extra de vitamina C.
No fim do verão estão prontos a ser colhidos os cinórrodos de roseira brava, pequenos, vermelhinhos, redondos ou ovais podem confundir-se com as bagas de pirliteiro sendo mesmo bastante comum encontra-los lado a lado no mesmo habitat. Caso isso aconteça não é muito grave pois estas também se podem consumir.

Receita
Lavar e retalhar estas bagas, retirando a pequena penugem que reveste o seu interior e que pode irritar a garganta, encher com elas um frasco, de seguida juntar vinagre. Levar ao lume em banho-maria durante meia hora. Deixar arrefecer, rotular e guardar.
Tomar 2 a 3 colheres de chá por dia diluídas em água morna ou fria ou usar para temperar saladas.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Agenda de 2018 de Plantas Medicinais. Revelamos mais alguns segredos da agenda: rosas e jasmins

Rosas-de-Santa-Teresinha
Rosa de Santa-teresinha…..Rosacea
Impossível resistir ao charme e delicadeza destas pequenas rosinhas de perfume suave e doce.
Tenho um enorme arbusto que todos os anos me presenteia com uma infinidade de flores que colho, levo para casa, coloco em aromáticos bouquets espalhados pelos cantos, desidrato algumas, outras utilizo em sobremesas e bebidas. Desafiam a imaginação e criatividade culinária tantas vezes inspiradas no trabalho da minha amiga Graça Saraiva das Ervas finas que é mestre em receitas com flores e me deu a provar um mel de rosas absolutamente divinal. Em casa fiz a minha versão mais simplificada.

Receita

A um frasco de mel de meio quilo retirei metade do conteúdo e preenchi com pétalas de rosas de Santa-Teresinha, aqueci em banho-maria durante uma hora e deixei ficar as rosas a macerar no mel. O mel é um conservante natural ajudando a preservar as flores.
Adicionar este delicioso mel a sobremesas, iogurtes, bebidas ou consumir uma ou duas colheres por dia sempre que se sinta que o seu coração precisa de um mimo.


Rosa-de-Santa-Teresinha
Jasmim



Jasmim  Jasminum spp Oleaceae
Impossível cheirar o doce aroma dos vários jasmins sem acordar em mim imagens da Índia e de quando por lá andei em viagem. As mulheres usam as flores  e o óleo no cabelo. As estátuas dos deuses são adornadas com colares de jasmim e calêndulas. Existem muitas espécies mas a mais comum em Portugal e até bastante invasiva é Jasminum officinalis. Na medicina Ayurvédica tem uma estreita relação com o feminino e usam-no para tratar dores menstruais, tensão nervosa, enxaquecas. É uma planta adstringente e por isso a infusão das flores pode ser utilizada para estancar o sangue de feridas ou reduzir o fluxo menstrual excessivo.
Em aromaterapia o óleo essencial diluído num óleo vegetal de sésamo, grainha de uva, abacate ou azeite é usado em massagens para tratar depressões e aumentar a líbido. Recomenda-se ainda como antissético, antiviral e antifúngico, eficaz em casos de herpes ou candidíase.